Você já se sentiu tão apaixonado que é como se nada ao seu redor parecesse 100% completo? Eu venho me sentindo assim desde que o primeiro "eu te amo" saiu da sua boca. É como se isso tivesse aberto e desencadeado uma série de sentimentos loucos dentro de mim que até então, pareciam adormecidos. É uma vontade danada de falar com você toda hora, ouvir como foi seu dia e só ficar deitada no seu colo ouvindo as batidas do seu coração, enquanto você faz carinho nas minhas costas.
Meus pensamentos sempre terminam com seu nome e não há uma hora do dia que eu não me lembre de algum momento que passamos juntos. Eu quero falar o quanto eu te amo, mas não consigo encontrar comparações que consigam chegar ao menos perto do que eu realmente sinto. Eu simplesmente sinto, entende?
E como você já disse anteriormente, acho que consigo passar todas essas sensações e borboletas que transitam sem rumo pela minha barriga, nas pequenas coisas. Nos beijos que a gente troca, nos abraços que parecem nós de cadarço, nas marcas que eu deixo no seu corpo. É como escrever pormas em casa cadinho seu com a minha boca, e você recita-los em voz alta.
O jeito que você me toca e me deixa vermelha de um jeito único, é como se meu corpo ficasse tão feliz em ter você por perto, que ele precisa mostrar essa alegria toda de alguma forma. O jeito que sua mão encaixa perfeitamente na minha só me faz ter mais certeza de que somos peças de quebra-cabeça, criadas justamente para se encaixarem.
Meu sorriso é mais sincero quando você é o motivo, meus dias são mais felizes quando sei que vou te ver, e cada segundo é um inferno quando você está longe. Quando estamos juntos, meu coração bate tão rápido e grita tão alto que eu preciso me controlar para não arranca-lo fora. Se eu tivesse mil corações, todos bateriam por você, e todos morreriam se você fosse embora.
Amo o jeito que posso ser intensa e não precisar esconder o que sinto por você, porque você é tão ruim nisso quanto eu. Amo o jeito que nós não nos importamos com o que os outros falam sobre nós, e que nós nunca vamos mudar o que somos. Não precisamos de rótulos, de definições. Somo únicos, infinitos, eternos. Eu e você contra o mundo e o mundo todo dentro da gente. Nem todas as músicas do mundo seriam capazes de descrever as entrelinhas que você escreve em mim.
Mas eu só sei que se eu tivesse algum câncer, com toda a certeza,você seria a cura.

Ei. Você pode ler esse texto ouvindo essa playlist.
                    

De onde vem tanta sensibilidade? Um coração como o meu que mais chora do que bate, deveria entender de onde vem tanta confusão. Qualquer coisinha me faz perder a cabeça, mas isso não significa que eu saiba onde ela está agora. Tem doído um pouco mais do que deveria, e vai ver é porque meu remédio acabou, eu bebi a última gota. O amor, que eu deveria tomar duas vezes ao dia, e que o médico ainda me fez o favor de dobrar a dosagem
Sei que mudei muito de janeiro pra cá, afinal, já se passaram oito meses. Já estava mais do que na hora de alguma coisa mudar. Algumas pecinhas ainda estão tentando encontrar seus respectivos lugares dentro de mim, alguns espaços vazios começaram a se preencher. Mas o que eu não consigo entender é de onde vem esse coração de vidro, que se quebra em qualquer coisa que esbarra. Principalmente quando colocado em mãos erradas.
Acabou que eu parei de me importar com quem vai ou com quem fica. Sei que tem gente que sempre quer nos ajudar, mas a maioria só vem pra desperdiçar nosso tempo. Um pensamento tão realista quanto pessimista, mas descer dos meus sonhos também é uma característica que acabei conhecendo. Descobri que amigos também partem corações, e não vale a pena se desgastar por uma amizade mais ou menos.
São tempos de mudança, e sei que as coisas nunca vão continuar as mesmas. Faltam 3 meses para o fim do ano, e posso dizer que está sendo um ano de grandes reformas. Não sei o que me aguarda, e na verdade, nem quero saber. Só sei que o futuro está aí para a gente vê no que dá.
Um dia eu terei 23 anos e olharei para a Bárbara de 16. Depois de me xingar mentalmente, vou agradecer por todas as lembranças que construí, e todas as coisas que aprendi, e que de repente, viraram míseros detalhes. O tempo passa, as pessoas vão embora, outras novas vão chegando. E de repente, sentar num bar com suas amigas no sábado à noite para conversar com suas amigas, é tudo o que você mais precisa depois de uma semana estressante e cansativa. A gente acaba aprendendo a dar valor para as pequenas coisas.
O futura está chegando, e tenho certeza que ele nos traz vários presentes. Os pássaros, cedo ou tarde, vão vir me buscar, e quando isso acontecer, eu vou estar esperando de braços abertos e olhos fechados. E não os abrirei tão cedo, para evitar que eu acorde desse sonho.
E pelo jeito, esse meu coração vai ter que aguentar mais alguns anos para começar a assistir as coisas darem certo. Mas eu te garanto que essa espera não vai valer só a pena, mas sim, o pássaro inteiro.
                                          

Eu não consigo entender o que acontece comigo quando você está por perto. É mais do que emocional, chega a ser físico. Meu coração parece mais uma máquina de lavar quando está centrifugando, minhas mãos começam a tremer como se precisassem de um papel e uma caneta para escrever, meus olhos grudam nos seus de uma maneira tão profunda e intensa. Mas acho que sou só eu que penso assim.
Não sei quando foi que reciprocidade deixou de ser nosso lema. De repente, a nossa música tocou e meu coração doeu. Sei que o seu também não se sentiu tão confortável. Senti saudade do seu beijo e do jeito que eles parecem dois quebras-cabeças, que por mais que fiquem muito tempo longe, eles sempre vão se encaixar. Procurei seu gosto em outros lugares, mas só encontrei algumas imitações baratas. Procurei o calor das suas mãos em outras, mas todas eram frias demais.
Lembra quando eu disse que não conseguia sentir mais nada? Você me fez ter acesso à uma pasta arquivada dentro do meu coração, que tinha seu nome escrito. Descobri que não, a gente nunca esquece de fato quem a gente amou. E porra, como eu te amei... Hoje, eu infelizmente, te guardo na estante como só mais um dos caras que partiram meu coração. Mas de todos os meus problemas, você é o mais incrível de todos.
Eu não deveria sentir nada, mas quem disse que eu tenho algum controle da situação? Às vezes eu só queria te ligar e te implorar pra que aparecesse aqui, na minha varanda, só pra ver como eu estou. Se eu estou bem, se estou precisando de alguma coisa. Poxa, eu preciso de você. Só você que não vê.
Acabei de perceber que um texto só flui quando o sentimento é verdadeiro. E estou de cara como consigo fazer as palavras dançarem no papel quando falam de você. Eu posso vê-las sorrindo claramente.É uma sensação esquisita, já que eu nunca fui muito boa em expressar o que eu sinto, por mais que eu seja muito amiga das palavras. Ou vai ver, você nunca soube lidar com meus sentimentos selvagens. Um coração animal que eu tenho. Devoro tudo o que vejo, guardo tudo o que quero.
Um amor frágil, eu acho. Foi um amor frágil aquilo que tivemos. Mas você não sabe como eu fico feliz em poder chama-lo de amor. Antes eu tinha minhas dúvidas se eu realmente te amava, ou se era tudo um truque da minha mente para te manter distante e evitar decepções.
Era amor. E não evitei decepção alguma.
São tempos difíceis para os que sentem, não admitem e fingem que não sentem. Sei que dentro do seu coração de gelo, ainda existe um pouco de mim. Pelo menos, eu prefiro acreditar que sim. E um dia, em algum lugar, de algum jeito, as coisas vão se reconectar. Não é questão de tempo, não é questão de verdade. É questão de deixar as coisas tomarem seu próprio rumo. Os ventos vão seguir sua direção de qualquer jeito, e não há nada que a gente faça que vá mudar isso.
Eu tentei seguir em frente, juro que tentei. Mas dizem que borboletas sempre voltam para onde elas construíram seus casulos. Vai ver é por isso eu sempre volto a mandar uma carta, uma mensagem, uma playlist, ou qualquer coisa que chame a sua atenção. Mas sei que não adianta o que eu fizer, nunca vai ser o suficiente para fazer você olhar pra mim com os mesmos olhos de antes.
Por favor, não pare o que está fazendo. Continue, finja que nunca chegou a ler esse texto. Eu só queria externizar esse sentimento tão complexo e ao mesmo tempo tão simples, que eu chamo de você. 
As coisas vão se ajeitar, eu sei que vão. Eu vou me reencontrar e vou tentar esconder o que passa dentro de mim até lá. Vou procurar outros lugares para morar, até encontrar meu verdadeiro lar. Vou me desprender do que me prende, vou seguir em frente. Mas vai demorar, pode ter certeza disso. Mas não se esqueça que um filho pródigo sempre retorna a sua casa.
O "eu e você", jamais será só "eu e você". É sempre melhor quando você está no meio, ou no começo. Mas nunca no fim.
Mas a gente pode fingir que foi só isso. Só não me esquece quando eu for embora.


    

Não sei exatamente quando as coisas começaram a dar errado. Não sei quando foi que a última folha caiu da árvore, ou quando a última gota de chuva secou da janela. Não sei quando foi que o café esfriou, o disco acabou ou meu coração parou de bater.
De repente, tudo ficou escuro. Tudo começou a se apagar, e essa luz interna que ainda brilhava em mim, acabou. Eu virei uma grande estrela morta, que depois de anos iluminando outros corpos celestes, se apagou, por simplesmente estar cansada demais para continuar.
É difícil escrever sobre o que acontece dentro de mim. O que passa na minha cabeça ou o que eu ando sentindo. Eu simplesmente não consigo sentir nada. Sinto que meu coração está pendurado em alguma linha imaginária, e ele fica ali, balançando de um lado para o outro. De vez em quando bate nas paredes, isso machuca um pouco. Mas depois, ele volta a ficar nessa monotonia sem fim. Pra lá e pra cá, pra lá e pra cá...
Às vezes essa dor invade meu peito e decide se instalar por alguns dias. Alguns meses. Eu cansei de lutar contra esse sentimento, então eu só deixo ele entrar. Não é uma dor igual a bad que bate domingo a tarde ou aquela tristezinha de levar um fora. Não. Essa dor chega a doer fisicamente. É como se existisse algum mecanismo dentro de você que fizesse questão de te lembrar todos os dias que você não está bem.
Mas afinal, o que aconteceu com a Bárbara? A Bárbara que andava tão feliz, tão apaixonada. Ela simplesmente morreu?
Ela simplesmente desistiu. Desistiu de tentar lutar contra as partes ruins da vida, e começou a dar mais valor para as partes boas. Ela está numa montanha-russa meio complexa, que não fica em parque de diversão algum. Às vezes ela está mais em cima, às vezes o buraco é mais embaixo. 
Eu continuo a mesma. Quero que vocês entendam, eu não estou morrendo. Eu só estou mal pra caralho. Algumas coisas simplesmente não tem cura, e a gente precisa enfrentar isso de peito aberto. Está doendo? Deixa doer. Uma hora vai passar, e se não passar, eu pelo menos tentei. O mundo não vai acabar amanhã, e se acabar, que sorte a nossa.
Não consigo escrever, não consigo desenhar, não consigo produzir. Minha cabeça só consegue pensar no tempo que estou perdendo tentando ser alguém, e consequentemente, sendo ninguém. O relógio faz esse barulho estrondoso com seus ponteiros, o calendário passa suas páginas com voracidade. E quando mais o tempo passa, menos eu sei o que eu quero da minha vida. O fracasso me sobe a cabeça, sinto que perdi tudo, tento recomeçar. 
Acho que é por isso que eu nunca vou pra frente. Porque eu estou sempre recomeçando. 
Admito, às vezes esqueço minhas dores para tentar acolher a dor dos outros. Isso é um erro enorme, mas infelizmente eu possuo esse coração imenso que acaba acolhendo qualquer lágrima. Vai ver é por isso que eu esteja tão vazia; por estar cheia demais. E até eu conseguir me esvaziar...
Resumo da ópera: Me deixem em paz. Eu só preciso de um tempo, até perceber que as coisas estão dando certo de novo e eu conseguir sair desse buraco escuro e profundo, que poucos conhecem a profundidade, mas parece que todos querem conhecer. E, até eu melhorar, parem de cobrar tanto assim de mim. 
Eu não aguento mais. 

                    

Me desculpa incomodar, mas esse é pra você. Você vivia reclamando que não entendia os textos que te escrevi, ou que nunca sabia que era pra você. Então, finalmente, aqui está. E estou avisando que é pra você, para você não pegar indireta errada, ou até mesmo, outra pessoa receber o que nem é pra ela. Portanto, sente-se, pegue um café, ascenda um cigarro e não leve tão à sério assim o que eu vou falar. Pode demorar um pouco.
Primeiramente, eu quero saber: O que aconteceu entre a gente? Quero entender alguns fatores que contribuíram para nossa suposta separação (digo suposta porque não acho que a gente chegou a ficar junto). Eu sei, fui eu que terminei. Mas o que você não entende é que eu sou a pessoa mais inconsequente do mundo, e isso nunca vai mudar porque eu não quero mudar.
Eu gosto de me arriscar, e é assim que eu sou. Eu vou errar, vou acertar até eu aprender a não colocar a mão no fogo mais. Sei que você não entende isso, já que as coisas sempre aconteceram do seu jeito. E infelizmente, eu errei muito com você e isso não tem volta. Mas o que eu posso fazer? Não me arrependo de nada. Acabei aprendendo, de erro em erro, que se arrepender não adianta. Fiz, nunca mais vou fazer de novo. Seria muito bom se você acreditasse nisso.
Sinto muito por ter ido embora. E por mais que a gente iva se despedindo, você sabe como a gente termina. Dançando Daft Punk em algum lugar da cidade, e rezando para que aquele momento não acabe. Pelo menos, é assim que eu me sinto. A gente briga, beija e briga de novo. Fala adeus, fala "oi, saudade". Sei que você está cansado dessa história, e acredite, eu também estou. Cansada de te procurar em cada canto, pensar em você toda hora, chorar no meio da aula por saber que você não me merece o suficiente. Não vou mentir, sinto sua falta o tempo todo, todos os dias. Não queria que as coisas acabassem assim. A gente ainda tinha muita coisa pra viver.
Lembra a nossa casa em Santos? Nossa viagem pra Fernando de Noronha? É, era um sonho. Talvez ele nunca irá se realizar, ou talvez se realize com outra pessoa. Mas o que você não pode tirar de mim, é o que eu guardo de você. Tem coisas boas, coisas ruim. Mas tem você, entende? É tudo o que eu preciso daqui pra frente.
Sei que, provavelmente, você não vai ler isso aqui, até porque você mesmo disse inúmeras vezes que vai me esquecer. E eu também vou me esforçar ao máximo pra isso. Vou me procurar em bares, lugares, abraços, risadas, sorrisos alheios que não me pertencem, até encontrar o caminho para mim mesma. É difícil te esquecer, sendo que o gosto do seu beijo persegue meu dia-a-dia sempre que minha mente se esvazia. Mas mesmo sem querer, terei que dizer adeus para isso que a gente nem quis dar um nome. Eu e você?
É. Era só isso.
Me desculpa por não ter te amado na hora certa. Você me conheceu em uma época estranha da minha vida, onde eu não fazia ideia de onde eu estava. Desculpa por ter te amado tarde demais. Quem sabe um dia, a gente volte a se encontrar nessas festas estranhas com gente esquisita que você tanto parece gostar.
Nossa música tocou no rádio. Me peguei cantando em silêncio e um sorriso era claramente visto no meu rosto. Me imaginei no banco de trás do seu carro, me despedindo do passado e começando tudo de novo. Mas quando acordei, estava indo para casa, esperando o próximo ônibus chegar. Talvez ele chegue, talvez ele já estava lá.
A partir de hoje, eu não sei mais o que vai ser.
Mas a certeza eu guardo no coração, de que nós nunca vamos envelhecer.

The Chainsmokers - Closer ft. Halsey





                         

Não é tão simples, ou tão rápido quanto pronunciar a própria palavra. "Esquecer". Deixar de guardar as memórias, na nossa típica caixinhas de segredos, é como tirar um pedaço da nossa carne frágil. Da nossa alma frágil. Quer dizer, a gente pode até continuar mantendo as lembranças, guardando-as dentro da gente. Mas pode ser que machuque ainda mais. Pode custar um futuro inteiro.
A vida tem sido uma tremenda confusão (para não dizer "puta") desde que tranquei meu coração. Tirei o último vestígio do meu passado lá de dentro e nunca mais deixei ninguém entrar. Não foi uma escolha. Por mais que eu tente, o escudo que protege meu coração está bem rígido, e não é qualquer um que conhece os segredos para entrar nele. Não, isso não é tão bom assim. Mas devido as circunstâncias, essa deve ser a melhor solução no momento.
Tinha esquecido o que significa esquecer, e pude entender que é uma tarefa árdua. Aprendi que, por mais que eu tenha uma memória horrível, meu coração ainda insiste em me lembrar todos os dias, que sim, os sentimentos ainda estão lá, e vão continuar lá até que eu faça uma faxina e elimine o que não presta mais. E eu vou ter que deixar esses sentimentos de lado, para começar uma história nova. A história que eu sempre sonhei em viver.
As raras fotos, eu tive que queimar. As milhares de cartas que eu guardava na última gaveta da minha cômoda, eu rasguei junto com os pedacinhos que restaram de mim. Eu estou completamente perdida no meio dos sentimentos que eu guardo, e que são tanto que eu nem consigo identifica-los.
O amor é a arte que nos preenche, e ter que esquecer disso faz parte. Já passei da idade de acreditar que o infinito existe mesmo e ficar esperando que o "felizes para sempre" saia dos contos de fadas. Mas vou ter que deixar meu príncipe encantado partir, para descobrir a verdadeira rainha que sou. Às vezes dói, arde, corrói. A lágrima chega acair, e quando você percebe, você está desmoronando entre as palavras que nunca foram ditar. Ou até mesmo, as que foram ditas, mas não correspondidas.
Sei que algumas coisas não tem volta. Sei que o passado pode nos confortar às vezes. Mas chega em uma hora, que precisamos acordar do nosso sonho profundo, e transforma-lo em realidade. A realidade dói. E não se engane quando te disserem que amar é simples. Amar contém outras coisas no pacote. E quando você aprende isso... Pode ser tarde demais.
Mas um dia você vai acordar e perceber que você simplesmente esqueceu.
Já faz um tempo que encaro o papel em branco, com essas linhas azuis e a caneta preta tampada, esperando alguma palavra surgir no meio do museu que acabou ocupando grande parte da minha cabeça. Eu fechei meus olhos, coloquei uma música para tocar e deixei o som entrar pelos meus ouvidos, como se quisesse reocupar algum lugar dentro de mim, já que grande parte do meu corpo foi tomado pela indecisão.
Decidi escrever sobre você. De repente, o shuffle começou a tocar a nossa música. Quero dizer, a música que costumava ser nossa. Uma lágrima caiu em cima da minha bochecha, mas isso tem sido normal desde que você foi embora. Fiquei alguns meses sem lembrar seu nome, sua identidade, seu endereço. Mas você me conhece, eu não consigo ficar muito tempo longe. É complicado, até porque eu quero ir embora para bem longe de você, mas eu acabo voltando no meio do caminho.
Uma vez eu li a definição de amor: "Querer muito matar uma pessoa mas não fazer isso porque sabe que vai sentir a falta dela". E nesse momento, o seu rosto apareceu nos meus pensamentos como um flashback, e acabei lembrando de um dia. Um dia em especial, mas prefiro não falar que dia foi esse. Mas foi um dia muito especial para o meu coração e claro, para os textos ruins que sempre acabo escrevendo sobre você.
Não que eu te ame. Quer dizer, não sei se devo admitir isso agora ou espero você admitir primeiro para ver quem ganha o joguinho do orgulho (que eu, particularmente, detesto). Mas acho que agora, nesse momento, nós não precisamos de um sentimento em comum para rotular o que a gente tem. Amor? Gostar? Um sentimento intenso baseado em música, filmes e beijos? Não me importa, não interessa. Eu só não gosto de guardar coisas tão boas como a gente, em segredo. Mesmo sabendo que felicidade oculta dura mais, mas eu não quero mais ter que segurar esse meu sorriso frouxo toda vez que te vejo. Não quero mais ter que segurar minha vontade de te abraçar, não quero mais ter que dizer: "Não, somos só amigos."
Qual é! Todo mundo sabe que não somos só amigos.
Tudo bem, eu espero. A gente não precisa namorar, casar ou simplesmente "ficar sério". A gente não precisa de mais nada. A única coisa que me machuca é saber que o meu coração ainda é tão distante do seu, e que eu ainda acabo sentindo pelos dois. Mas tudo bem. Desejo coragem para quem nasceu para sentir demais.
Bom... Parece que eu consegui escrever alguma coisa. As palavras fluem quando falo de você, parece que elas gostam de ser escritas. Só te peço um favor, pode ser? Não vai embora não. Ainda tem muita coisa para a gente viver. Mas deixando bem claro, que eu não amo você.
Ainda não.