Os Caras duas caras

0 Comments


Esse Carnaval foi a maior doideira. Passei dias comendo só frango e pipoca, vendo filmes de comédia romântica e séries. Fui pra Divinópolis passar uns dias com a minha família e acabou que fiquei enfurnada no quarto conversando com três caras, na esperança de dar certo com pelo menos um. Eliminei a maior e mais forte ameaça, e aquele cara duas caras.
Nesse tempo, minha família foi me visitar no meu quarto com as paredes feita de tijolinhos brancos e com um espelho na porta. Onde eu me olho toda manhã e me lamento de ter acordado. Conversamos sobre meus amigos gays e como eles sofrem na sociedade. Em conversas assim, fico envergonhada e tento guardar alguns segredos. Nada demais.
Mas nessa conversa, concluímos que todo mundo, sem exceções, tem duas caras. Mas é questão de sobrevivência. Afinal, você não é o mesmo dentro de casa, né? Nem mesmo eu sou! Em casa, eu sou uma menina que usa calça de moletom vermelha e uma blusa longa do Legião Urbana. "Que país é esse?" Que permite esses caras tomarem conta do meu coração, assim, sem nem pedirem permissão?
Carnaval é justamente a reunião de todas as máscaras. As pessoas escondem quem elas são para tentarem "conquistar" alguém. Eles colocam essas máscaras, saem na rua e agem normalmente. Falsidade me enoja. E aquele ingresso que você me deu para o seu coração? Então, ele é falso.
Vocês devem estar se perguntando sobre as minhas duas caras, né? Bom... A vida inteira eu quis ser alguém que não sou. Lindsay Lohan, Emma Stone, Johnny Depp.. todos eles tem duas caras. Quem sabem até mais! A escolha foi minha esconder alguma delas.Essa menina pequena, que em casa é um coelho e fora finge ser um cavalo.
Quis escrever esse texto, não para mostrar minha indignação ou algo do tipo. Mas para mostrar como esse mundo é igual, e ao mesmo tempo, tão diferente. E isso me faz pensar... Será que Deus tem duas caras?
Eu tenho preguiça das pessoas. Por isso que eu sempre recuso uma ida ao shopping ou sei lá o que. Eu tenho preguiça de me decepcionar. E ficar triste dá um trabalho...
Tenho preguiça de mim mesma. Me olho no espelho, troco de roupa umas sete vezes, me acho gorda e sento na cama. Reflito sobre a vida e chego a uma conclusão de que eu sou quem eu sou. Coloco a primeira roupa que experimentei, e vou.
Ficamos presos em salas de espelhos. Sempre tenho esse pesadelo. Sinto seu cheiro em todo lugar, mas você nunca está lá. Me pergunto se a culpa é minha, ou se é destino ficar sozinha.
Carnaval, máscaras, espelhos, caras... O necessário nunca é o bastante. O bastante nunca é necessário. E é por me apaixonar tanto assim por caras duas caras, vou me acostumando a deixar as coisas claras.




You may also like

Nenhum comentário: