Tédio

6 Comments


Eu já disse mil coisas, e dentro dessas mil, nenhuma é mentira. Já fazia um tempo que eu não escrevia sobre você. Apenas para você. Mas eu acho que não tenho nada pra te dizer. Tudo já foi dito e guardado. E espero que não seja esquecido.
Hoje eu tô afim de ser clichê. Falar coisas fofas e ouvir você falar "Que gay" depois, como se minhas palavras não tivessem surgido efeito nenhum em você. Mas eu sei que surgiu. Eu dou uma risadinha, você olha pro lado e eu te abraço. Você pega na minha mão, eu deito no seu colo. A gente fecha o olho.
Entre algumas músicas que eu já te escrevi, tem uma que fala que antes de você chegar estava tudo claro. Você chegou, e deixou mais claro ainda. Mas, se você partir, fica tudo escuro. 
Você nunca sabe a necessidade de uma coisa, até essa coisa aparecer na sua vida.
Eu sou muito melosa, eu sei. Sou emotiva, chata, carinhosa... Mas eu sou escritora. "Sinto, logo escrevo". Você tem razão em todas as frases que fala. Mas eu sou orgulhosa demais para admitir isso. Quando a gente briga, eu fico mal comigo mesma. E odeio te ver mal, em qualquer aspecto. É como se o Sol tirasse férias só pra mim, e eu pudesse ouvir Deus rindo de mim.
Tem várias músicas que me definem em relação a você. Como The Girl, Um só, Faithless... Mas as vezes, você não vai acreditar se eu falar. As vezes, minhas atitudes não são tão claras. Me desculpa por isso.
Tem coisas que as palavras do dicionário são inúteis. Tanto na raiva, tanto no amor. Mas cá entre nós, tem coisas que não precisam de palavras. 
Eu estava perdida. Se alguém me jogasse no lixo, não iriam perceber diferença nenhuma. E você me encontrou, bêbada na beira da estrada pedindo carona para estranhos. Você me salvou de uma morte muito pior que a morte física. A falta de amor. 
Eu posso dizer que finalmente sou feliz. Tento fazer você sentir o mesmo, sim. Mas sei lá, eu nunca vou conseguir fazer isso. Não sou perfeita e nem quero ser. Tem coisas que se melhorar, estraga. Você é um exemplo. 
Agora eu entendo quando falam que existem pessoas com imperfeições perfeitas. Porque eu gosto tanto de você, que seus defeitos são só um detalhe. É só um "plus one", em meio tantas coisas boas que você me dá. 
O tempo pode até passar. A gente pode se separar, sumir e se encontrar no Subway daqui a vinte anos. Mas tenho certeza de que se isso acontecer um dia, nada vai estar mudado. Eu ainda vou amar as mesmas bandas, e você vai continuar odiando as bandas que eu amo.
O tempo passa. As coisas mudam. Mas tem coisas que nem Deus consegue modificar. 
E se eu posso conhecer alguém melhor que você, eu não quero. A gente já é um só, e não tem como partir isso ao meio.
Desculpa o clichê.
Não desiste de mim. 




You may also like

6 comentários:

  1. Sobre eu amar os seus textos e te amar mais ainda..

    ResponderExcluir
  2. Caralho Bárbara, tu escreve bem pra porra, se expressa muito bem, nem imaginava isso de ti, sou teu fã agora hahuehsauhe Continua que tá foda!

    ResponderExcluir