Um texto sobre a importância da opinião alheia

2 Comments

A mais ou menos um mês atrás, minha psicóloga me pediu para escrever duas listas: Uma com todas as coisas que eu tenho de bom e outra com todas as coisas que eu tenho de ruim. E hoje, quando eu estava no Outback comemorando o aniversário de um amigo, ficou aquele momento em que ninguém lembra que você existe na roda, então peguei meu caderno e comecei a anotar. E percebi, que nas duas listas eu escrevi: Sempre tento agradar o outro.
Ok, vamos do começo. Eu gosto de me maquiar, de me arrumar, de me sentir bonita. E isso de que mulher se arruma pra mulher é uma verdadeira mentira. Eu me arrumo porque gosto de me ver bem e bonita. Mas, admito, que se eu "pudesse" eu iria pro shopping de camiseta e moletom, como eu já fui várias vezes. E então, no caminho de casa, eu pensei: "Por que raios eu não pus uma calça e uma blusa e fui direto pro shopping, sendo que eu estava tão cansada e atrasada?". Fiquei nessa, até lembrar de quem iria encontrar com a gente. Tcharan.
Depois, eu estava me perguntando o que vou fazer no meu aniversário de 15 anos (pra quem não sabe, é dia 21). Eu nunca fui de fazer festa pros outros comerem, pagarem de bêbados e me causar problemas. Até que eu pensei em voz alta: "Acho que vou comemorar no Hot Zone (que, pra você que não sabe, é tipo um fliperama só que com jogos e brinquedos mais legais)". E então, um dos amigos que estavam comigo fez um crítica idiota sobre isso, falando algo sobre isso ser """errado""". Isso me incomodou. Por um momento eu descartei essa ideia. Mas aí, na minha filosofia, eu pensei: "Como assim eu vou deixar de comemorar meu aniversário com meus amigos no lugar que EU quero só por que um cara disse que isso era infantil?". Então, formou.
Mais tarde um pouco, esse mesmo cara, perguntou o significado das minhas tatuagens. Fez mais uma crítica e pela primeira vez na vida, eu arrependi de ter feito uma tatuagem. Mas, mais uma vez, eu refleti e disse: "Peraí! Cê tá deixando um cara que não tem nada a ver com sua vida te atingir dizendo que suas tatuagens não tem significado? Opa, garota. Tá errado isso aí!". Juro por Deus, que nesse momento, olhei pro meu pulso e dei um sorriso. Me orgulhei de ter feito aquelas tatuagens e gravei na cabeça que a gente deve crescer e mudar.
Resumindo: Hoje, dia 17 de julho de 2015, foi o dia em que eu aprendi a enfrentar os meus problemas, e acima de tudo, não ligar para o que os outros pensam de mim. Eita, dia cheio.
Então, se eu quiser ir de moletom pra um baile, comemorar meu aniversário de 15 anos no Hot Zone e tatuar meu pulso com palavras vagas, eu vou. E, a não ser que a inércia impeça, eu vou fazer o que eu quiser, sem ter que me preocupar se alguém vai olhar e pensar "Que mina estranha".
Eu ia soltar um palavrão que vocês sabem qual é, mas muitos parentes meus leem isso aqui. Mas, a partir de agora, eu declaro, que as escolhas são minhas, só minhas e de mais ninguém. Além do mais, quem vai sofrer as consequências disso tudo sou eu.
Enfim, eu não me importo mais. E acho que agora eu estou finalmente crescendo e mudando.
Obrigada, universo.
Você conseguiu me dar uma lição surgindo da desgraça mais uma vez.





You may also like

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. É Babi, gostei demais!!! Se alimentar da opinião alheia deve ser uma bela merda mesmo!! Só pra ganhar um tutu $ é que não tem jeito, tem que dar um jeitinho de ser um pouco ator mesmo... Beijão do Tio!

    ResponderExcluir