Coração sente, sim

1 Comments

Uma vez, eu conheci um cego. Ele costumava fazer aula de teatro comigo todos os sábados, às uma hora da tarde. Ele era pontual. Sempre chegava no horário. Sempre se esforçou ao máximo naquela aula, deixando a gente sempre com inveja. Devorava os textos na maior facilidade, tinhas expressões fantásticas. E isso tudo, sem ver nada.

Ele não é do tipo que se lamenta com seus problemas. Muito pelo o contrário. Ele aceita seus problemas e ainda faz piadinhas com eles. "Posso até ver... " ele dizia. A gente se perguntava se seria idiotice rir daquilo, mas nas dúvidas, ficávamos em silêncio.
E então, um dia, me bateu uma dúvida: Como será que eu era na cabeça dele? Quer dizer, ele nunca me viu. Ele só sabe que eu tenho um falso cabelo liso e uma voz grossa. Deve saber que eu sou bem agitada e nervosa. 


Hoje, eu estava sentada na sala refletindo sobre os recentes acontecimentos na minha vida. Estava assim, olhando para no além e então, ele disse: "Não é comum o seu silêncio. Alguma coisa aconteceu." Eu respondi que não, que eu estava bem. Ele virou o rosto e continuou prestando atenção no ensaio. Logo depois, ele voltou a dizer: "Algumas pessoas só olham o que está aqui (e tocou meu rosto) e esquecem o que está aqui (e apontou para o meu coração). Então, é por isso que eu sempre encontro apenas o mais pura nas pessoas. Não há como julgar. Eu queria que as pessoas fossem cegas, às vezes. Quem sabe assim elas percebam o preço de um coração". Nesse momento, uma lágrima caiu. Eu não falei pra ele, apenas concordei. Eu não tive coragem de falar nada. Continuei quieta e prestando atenção na peça, mas ao mesmo tempo, voando muito. 


Experimentei fechar meus olhos por alguns minutos e perceber o mundo além da visão. Ouvi barulhos desconhecidos e alguns pareciam mais alto. No final, eu percebi que estava ouvindo uma coisa nova. Pela primeira vez, eu estava ouvindo meu coração. 


Acho que as pessoas veem demais, e sentem de menos. Perceber coisas assim é complicado, pois você se questiona seus limites e até onde seu coração chega a ser puro. Pra mim, meu coração é um coração egoísta e solitário. Que sempre precisa de algo para se aquecer e se confortar. Mas para quem vê? Sei lá. 


Aprendi com ele que o que vemos, não é nada. Que o que ouvimos, não é nada. Que o que tocamos, não é nada. Nada tem um real significado, se não sentirmos de verdade.






You may also like

Um comentário:

  1. algo se partiu aqui, acho que foi meu coração... que amor

    ResponderExcluir