O Mapa que eu perdi

1 Comments

Ultimamente eu estou ouvindo muito sertanejo. Sim, admito, já meti muito pau em estilos musicais diferentes ao que eu adotei para a minha vida. Mas então, eu cresci e comecei a aceitar as diversidades. Comecei a conhecer gente nova e esse padrão começou a não fazer sentido. Mas o texto não é sobre isso. 

Observando as letras de sertanejo eu percebi que há muita confusão. Não na música, mas sim no que ela diz. E isso pode ser muito mais profundo do que a gente pensa. 


A confusão sentimental é uma merda. Eu posso falar porque estou passando por isso nesse exato momento. Não faço nem ideia quando eu estou triste, quando estou feliz. Não sei o que estou sentindo. Eu tento agir naturalmente, mas eu desconheço meu natural. Acaba que eu pareço uma máquina, agindo por puro instinto. 


Eu estou nessa confusão sentimental pois eu comecei a questionar meus próprios sentimentos. E o 

questionamento é o pior inimigo de alguém determinado. Eu não faço nem ideia do que eu sinto e quando me perguntam como eu estou eu digo "sei lá". Mas eu realmente não sei. Quando perguntam se eu esqueci, eu digo "sei lá". Mas eu realmente não sei. Eu só consigo pensar no que será de mim a partir de agora, e o presente não me importa uma vírgula. 

Eu estou perdida, mas eu nem ligo pra isso. O que me importa é caminhar, e chegar onde eu quero chegar. Só que ai é que está o ponto da questão. Como chegar em um lugar, se você nem sabe onde está? É, meus queridos. Eu terei que me encontrar. 


Minha cabeça está girando e hoje foi o primeiro dia de paz desde uma semana intensa cheia de problemas, mentiras e verdades. Só agora eu tive tempo para pensar no que eu sou. Como estou. Onde estou. 
Eu tenho esse medo de me encontrar. Já me acostumei com esse lugar, e de certa forma, não quero sair. Mas eu sei que hora ou outra eu vou ter. E se eu demorar, vão criar uma cerca ao meu redor e vai ficar impossível de sair. Às vezes, temos que sair do colo confortável que o mundo te dá, para ir descobri-lo. 


Agora eu te pergunto. O que eu farei quando eu sair daqui? Vou procurar um mapa, em algum lugar dentro de mim, que me de as ordens para onde ir. E o que farei quando chegar la? Provavelmente, me perderei de novo. 
Eu tenho sentido coisas que nunca havia sentido antes. Minha tranquilidade está me assustando e talvez seja por isso que eu esteja tão confusa. Eu não sou nada tranquila. Por fora, posso parecer vazia. Mas por dentro, há uma guerra constante entre o bem e o mal. Hora o bem ganha, hora o mal ganha. 


Enfim, eu estou dentro dessa luta. Procurando meu lugar para começar a batalhar. Só que tenho medo de me machucar.


"Ah, qual é! Entrar em uma luta e não se machucar? Que insanidade!"


Pois é. A palavra "insanidade" nunca fez tanto sentido pra mim.  







You may also like

Um comentário: