1/366

13:41



Eu sempre fui uma pessoa muito comemorativa. Natal, aniversários, e principalmente ano novo. Começar algo novo - de novo. Ter novas oportunidades, iguais aquelas que você perdeu. Sim, eu vejo muita graça nisso. E também sou uma pessoa muito supersticiosa. Não passo de baixo de escada, usei branco na virada, acredito em trevo de quatro folhas. Então, se eu coloco na cabeça que o ano vai ser ruim, nada tira isso de mim. 
Pra ser bem sincera, esse ano eu não me dei muita importância pro ano novo. Acho que por ser o primeiro ano novo que passo longe da minha família, eu fiquei meio desencanada. Tratei o ano novo como só mais uma data e tudo isso foi só mais uma festa. Comprei roupa branca, dei meu jeitinho de aparecer. Mas acho que o real significado daquilo tudo não passou na minha cabeça. Até aquele momento.
Porém, quando eu ouvi os fogos de queimando no céu e o relógio marcando meia noite, eu estava do lado daquela pessoa que transformou meu 2015 num grande sentido. Que me deu vontade de levantar e continuar seguindo em frente. Que mesmo quando a gente estava separado, a gente estava junto. Que mesmo tantas idas e vindas, ele veio pra ficar e tira um sorriso do meu rosto sempre que eu penso nele. E eu tenho certeza, que ele só apareceu porque eu fiz por merecer. Então notei, que não é superstição nenhuma que deixa nosso ano bom. É a gente mesmo. 
Eu escolhi estar do lado dele pois, ao lado dele eu me sinto menos perdida. Ele me ajuda a me encontrar e eu simplesmente sinto as coisas acontecerem. Eu escolhi isso. Mas não escolhi apenas por isso. Foi uma série de coisas que me fizeram acreditar que ele me completa de uma maneira surreal. E em 2016, eu só espero ter mais certeza disso.
Meu horóscopo diz que vai ser um ano difícil. E quer saber? Quem liga! Pode ser difícil que for, eu vou suportar. Eu consigo. Eu sou forte. Um ano sempre vai ser melhor que o outro, sem dúvida alguma. O que muda é o nosso jeito de ver isso. É o que nós fazemos para ele ser bom.
Passei longe da minha família, mas passei ao lado de amigos maravilhosos. Foi minha primeira experiência, onde eu me senti livre para tomar qualquer decisão. E eu fiquei realmente feliz de nenhuma das decisões que eu tomei, terem consequências horríveis. 
Promessas? Fiz várias. Mas acho que eu prefiro deixar a vida me levar, e ir parar onde ela quiser. Não adianta nós fazermos nossos planos. Na verdade, o certo é não fazer plano algum. Os planos não importam. Os destinos não podem ser mudados. Mas o futuro, ainda não foi escrito.
Eu estava com medo de 2016. Achava que eu ia ficar grávida, repetir o ano, perder um braço. Mas agora? Eu tenho certeza que vai ser um ano do caralho. Basta eu querer e lutar por isso. Dizem que você passa o ano inteiro fazendo aquilo que você fez na virada. Bom, eu vou passar o ano comemorando, rindo, me apaixonando (todos os dias pela mesma pessoa) e compartilhando sentimentos com esses amigos novos ou nem tão novos assim.
Enfim, o que eu quero dizer é: 2016, pode vir quente que eu estou fervendo. E pode ter certeza, que esse ano vai ser tão bom quanto qualquer outro. Pra mim, e pra qualquer um que manter isso em mente. 
O meu já começou no agito e no amor puro. Vamos ver até onde isso vai. E que seja pra sempre enquanto durar. 
Sou realmente muito grata ao ano de 2015. Não reclamo de absolutamente nada. Na verdade, acho que ganhei até mais do que merecia. Mas fazer o que, né? A vida não tem devolução.
Acho que sou clichê o suficiente pra desejar um feliz ano novo pra todos vocês. Que tudo seja repleto de saúde, amor, sucesso, paz, etc. Vamos rezar para que algum dia, alguém em algum lugar, comece a ler isso aqui. 



You Might Also Like

1 comentários

  1. Nem precisa rezar tanto, se você realmente se importar ( ou se tiver alguma importância pro universo), eu leio isso daqui. E simplesmente adoro. É impossível não ser clichê nessas épocas, então desejo a você também um ótimo ano, repleto de sonhos realizados, amor, paz e enfim. Espero que nunca mude, ou melhor mude sim, se necessário, ou se você quiser, eu vou continuar aqui lendo o que escreve, e sinceramente, não acredito que seja somente eu. Beijos.

    ResponderExcluir