Vai e vem (mas nunca fica)

2 Comments

É meio estranho isso. Você vai, você volta. Bate na minha porta, pede um beijo e vai embora. Você sumiu. Eu fiquei sem saber de você pelos últimos três anos, e você simplesmente toca minha campainha, às dez da noite, tirando meu sono, meu pijama e minha paz. Disse que eu não mudei nada, que eu cresci, que eu sou isso e aquilo. Pediu um beijo. Acho que mais de um, que por sorte, eu não dei. Virou as costas, foi embora.
Sabe qual o seu problema, que acho que é meu também? Você finge que o passado nunca existiu. Tudo bem, tem coisas que é necessário de se esquecer. Mas acontece que, o que foi bom pra você nem sempre foi bom pro outro também. O tempo passou, e aí? Você acha mesmo que eu ia continuar a mesma que você deixou esperando no portão numa tarde de terça-feira nublada?
As coisas, meu bem, não funcionam assim. Eu criei as minhas metas, fui atrás dos meus sonhos, que deixaram de incluir você depois de um tempo. Hoje, a única personagem disso tudo sou eu.
Foi bom olhar nos seus olhos e perceber que eu consegui deixar pra trás algo que só me fez mal. Por mais que somos muito parecidos e ótimos amigos, é só isso que a gente é. A gente não se fala, a gente não conversa. Você só acha que alguma coisa vai mudar, e que eu sou idiota o suficiente para acreditar em todas as suas mentiras de novo. Não guardo raiva ou rancor. Na verdade, eu te agradeço eternamente. Mas eu não sou de cometer o mesmo erro duas vezes. Nunca fui.
Tudo bem que algumas vezes eu corro atrás de coisas que fogem de mim. A minha obstinação e "cabeçaduragem" me impedem de deixar as coisas que eu amo, irem facilmente. Mas vamos ser francos e entender que nem sempre o amor é recíproco. E é isso que dói a gente. Ninguém suporta ver o nosso amor sendo jogado fora, ou sendo dado para outra pessoa.
Você pensou nisso? Alguma vez pensou nas vezes que eu fiquei na chuva, no meio da Savassi, ouvindo música e esperando você aparecer magicamente para apenas conversar comigo e me perguntar as novidades? Eu te pintava o mundo, e você o queria cinza. Eu pintava de cinza, você ria. E então, você foi embora.
Chega uma hora que cansa, sabe? Depois de vários meses, finalmente consegui te superar. Foi difícil no começo, meu coração doía. Meu corpo tremia, a saudade apertava. Eu andava nas ruas na esperança de te encontrar e de te falar tudo o que eu nunca tive coragem. Jogar na sua cara todo o dinheiro que gastei com meus vícios, os beijos mal dados, as noites que eu não dormia, as cartas escritas. Olhar no fundo dos seus olhos, respirar fundo, e te dar aquele beijo que eu queria ter te dado há dias.
Mas você some, me deixa esperando. E quando eu menos espero, você volta. Achando que vai mudar alguma coisa, mas não. Eu conheço as suas mentiras, conheço os seus truques. Já sou calejada aos seus charmes, aos seus olhos, à sua voz. A nossa música toca na rádio, eu nem me dou o trabalho de trocar de estação.
Indiferença. Essa é a palavra.
Você vai e vem (mas nunca fica). E tudo bem, eu sei, um dia você vai voltar. Mas dessa vez, eu não vou me deixar levar. Meus pés já estão no chão, minha cabeça na realidade. Câncer combina com peixes, mas eu e você não. Nem peixes, libra, escorpião.
Pode ir, pode voltar. Vou te cumprimentar, deixar você entrar quando chover, atender suas ligações. Mas não tente me bagunçar mais. Vai que uma hora você acaba conseguindo.




You may also like

2 comentários:

  1. Olá! Meu nome é Milena e tenho 15 anos. Há quatro anos atras namorei um garoto chamado Gabriel, ficamos uns 5 meses juntos, mas em certo dia eu estava conversando com minha bff na escola ( ia ter prova de geografia), e um amigo nosso chegou e ia me dar um beijo na buchecha, mas eu estava de costas e eu virei para ver quem era, e com isso o beijo foi beeeem no cantinho da boca. Fiquei pirada com ele, assim que cheguei em casa e enviei uma mensagem bem assim para o crush :"- Vida, tó morrendo de raiva de Carlos Eduardo, você não sabe oque houve!".
    Ele não estava online, mas enviei a mensagem assim mesmo. Quando pego o celular, ele tinha terminado comigo e tinha dito que já tinham contado para ele. Fiquei muuuuuuito mal, cheguei ficar ate doente!
    Cinco meses após nosso termino, ele fez aniversario(2013), e eu desejei parabéns para ele. E ficou por isso.
    Meses se passaram e voltamos a nos falar, e voltamos a namorar. Dessa vez durou mais ou menos 3 meses. E eu terminei com ele no dia do aniversario dele(2014). E o pior de tudo, eu menti para ele, disse que eu tinha traído ele (Só que eu não trai!). Ele ficou muito mal com isso, e depois eu me arrependi, só que não falei com ele pensado que ele estava com muita raiva de mim.
    Mas (novamente) no aniversario (2015) dele, conversamos serio, eu pedi desculpas e disse para ele que depois de tudo que aconteceu eu nunca deixei de gostar dele e ficamos uma vez (só ficamos, não namoramos). 20 dias depois fiquei com outro garoto e ele soube e falou que eu tinha traído ele e talz. Eu fiquei de boa.
    O problema é que eu ainda AMO ele e ele ta estudando na mesma escola que eu! Eu fui chamar ele para conversar e ele me tratou com muita frieza, chorei muito. E ele entra na minha sala e finge que eu não existo. E isso me mata! Não sei oque fazer, eu sinto que ele ainda gosta de mim, mas não faz nada por conta dos amigos dele.. Me ajuda por favor! eu não sei mais oque fazer, tô cansada, e não quero esquece-lo, quer dizer, não consigo!

    ResponderExcluir
  2. Te mandei um email contando o que queria falar... você pode ler por favor, preciso de alguem me dando um bom conselho !

    ResponderExcluir