Final

1 Comments


Não consigo escrever. Faz alguns dias, talvez semanas, que as palavras agarram em minha garganta. Às vezes, elas nem chegam a completar frases completas. E eu fico assim, cheia de pedaços. Partida. O que chega no papel são simples reflexos daquilo que eu mesma me proíbo de escrever.
Não consigo mais entender os sinais que a vida dá. As músicas no shuffle, uma mensagem nova no meu celular. Você já parou pra pensar em quantos sinais a vida dá, mas você não está lá para notar? Não adianta notar. Decifrar é o mais difícil.
As músicas que falam de amor. Será que alguém realmente sabe o que é amor? Por isso que a gente sofre. Pensamos que sabemos o que essa "palavra com a" significa. Não tem um só significado, sentido. Será que o amor é isso que vemos em filmes, em livros? Me irrita pensar na distorção de um sentimento desconhecido, só para dar verba aos cinemas e livrarias. Isso só ilude a gente, fazendo-nos acredita que é real.
Amor? Pra quê definir as coisas com conceitos?
Meus sentimentos (que eu entendo tanto quanto entendo física quântica) ousam em aparecer em momentos inoportunos. E quando preciso que eles apareçam, eles me deixam na mão. Mas na realidade, eu nem sei mais o que eu sinto. É uma mistura de "amor" (não achei uma palavra melhor) e ódio que vaga pelas minhas veias que, coincidentemente, partem do meu coração.
Coração. Ah, coração... Que guarda tanta bagagem pesada e inútil, me conta segredos sobre mim mesma, pula do peito. Sai pela boca, sai sim. E agora? Se eu tivesse mil corações, todos os mil sentiriam demais. Demais para um pessoa só. E quando penso em parar de sentir, ah... Já é tarde demais.
Que mal tem sentir demais? Sofrer faz parte, é arte. Sofrer com dignidade, nem sempre. É transformar o ridículo no belo, até o belo no feio. É comparar uma bomba com um simples beijo. É ver lágrimas nas gotas do chuveiro, amor em SP e SP em cada pessoa. Ah, quantos dilemas!
Desejo força para aqueles que desejam demais. Desejo que o tempo passe e o sofrimento que todos os artistas compartilham, vá embora. Sofrimento? Pode até ficar. Deixa eu entender o que você tem pra me explicar. Arranca minha razão, minhas noites de sono. Me deixa cega de paixão, me faz fazer loucuras.
Mas paciência, por favor. Meu singelo coração canceriano ainda não aprendeu que existe um final pra tudo.

Oração - A banda mais bonita da cidade





You may also like

Um comentário:

  1. Sou canceriana e te entendo completamente! Amo seus textos!

    ResponderExcluir