Você, de novo

0 Comments
                                          

Eu não consigo entender o que acontece comigo quando você está por perto. É mais do que emocional, chega a ser físico. Meu coração parece mais uma máquina de lavar quando está centrifugando, minhas mãos começam a tremer como se precisassem de um papel e uma caneta para escrever, meus olhos grudam nos seus de uma maneira tão profunda e intensa. Mas acho que sou só eu que penso assim.
Não sei quando foi que reciprocidade deixou de ser nosso lema. De repente, a nossa música tocou e meu coração doeu. Sei que o seu também não se sentiu tão confortável. Senti saudade do seu beijo e do jeito que eles parecem dois quebras-cabeças, que por mais que fiquem muito tempo longe, eles sempre vão se encaixar. Procurei seu gosto em outros lugares, mas só encontrei algumas imitações baratas. Procurei o calor das suas mãos em outras, mas todas eram frias demais.
Lembra quando eu disse que não conseguia sentir mais nada? Você me fez ter acesso à uma pasta arquivada dentro do meu coração, que tinha seu nome escrito. Descobri que não, a gente nunca esquece de fato quem a gente amou. E porra, como eu te amei... Hoje, eu infelizmente, te guardo na estante como só mais um dos caras que partiram meu coração. Mas de todos os meus problemas, você é o mais incrível de todos.
Eu não deveria sentir nada, mas quem disse que eu tenho algum controle da situação? Às vezes eu só queria te ligar e te implorar pra que aparecesse aqui, na minha varanda, só pra ver como eu estou. Se eu estou bem, se estou precisando de alguma coisa. Poxa, eu preciso de você. Só você que não vê.
Acabei de perceber que um texto só flui quando o sentimento é verdadeiro. E estou de cara como consigo fazer as palavras dançarem no papel quando falam de você. Eu posso vê-las sorrindo claramente.É uma sensação esquisita, já que eu nunca fui muito boa em expressar o que eu sinto, por mais que eu seja muito amiga das palavras. Ou vai ver, você nunca soube lidar com meus sentimentos selvagens. Um coração animal que eu tenho. Devoro tudo o que vejo, guardo tudo o que quero.
Um amor frágil, eu acho. Foi um amor frágil aquilo que tivemos. Mas você não sabe como eu fico feliz em poder chama-lo de amor. Antes eu tinha minhas dúvidas se eu realmente te amava, ou se era tudo um truque da minha mente para te manter distante e evitar decepções.
Era amor. E não evitei decepção alguma.
São tempos difíceis para os que sentem, não admitem e fingem que não sentem. Sei que dentro do seu coração de gelo, ainda existe um pouco de mim. Pelo menos, eu prefiro acreditar que sim. E um dia, em algum lugar, de algum jeito, as coisas vão se reconectar. Não é questão de tempo, não é questão de verdade. É questão de deixar as coisas tomarem seu próprio rumo. Os ventos vão seguir sua direção de qualquer jeito, e não há nada que a gente faça que vá mudar isso.
Eu tentei seguir em frente, juro que tentei. Mas dizem que borboletas sempre voltam para onde elas construíram seus casulos. Vai ver é por isso eu sempre volto a mandar uma carta, uma mensagem, uma playlist, ou qualquer coisa que chame a sua atenção. Mas sei que não adianta o que eu fizer, nunca vai ser o suficiente para fazer você olhar pra mim com os mesmos olhos de antes.
Por favor, não pare o que está fazendo. Continue, finja que nunca chegou a ler esse texto. Eu só queria externizar esse sentimento tão complexo e ao mesmo tempo tão simples, que eu chamo de você. 
As coisas vão se ajeitar, eu sei que vão. Eu vou me reencontrar e vou tentar esconder o que passa dentro de mim até lá. Vou procurar outros lugares para morar, até encontrar meu verdadeiro lar. Vou me desprender do que me prende, vou seguir em frente. Mas vai demorar, pode ter certeza disso. Mas não se esqueça que um filho pródigo sempre retorna a sua casa.
O "eu e você", jamais será só "eu e você". É sempre melhor quando você está no meio, ou no começo. Mas nunca no fim.
Mas a gente pode fingir que foi só isso. Só não me esquece quando eu for embora.




You may also like

Nenhum comentário: